Lapsos

Mostra explora relações entre memória e imaginação

 

A exposição Lapsos reúne trabalhos das artistas Letícia Lampert, Marília Bianchini e Marina Guedes em torno das incertezas que envolvem nossas lembranças. A fotografia, que muitas vezes é utilizada como auxiliar de nossa memória, se faz presente como processo de trabalho ou meio de expressão. Através de desenhos, impressões e colagens, os trabalhos nos colocam diante de questões sobre a construção de memórias imaginárias e a fragilidade de nossas recordações.

Enquanto Letícia Lampert trabalha com a construção da memória através da justaposição de fotografias de momentos e lugares distintos, Marília Bianchini nos mostra, com delicadas impressões em papéis artesanais, o quão frágeis e fugazes podem ser nossas recordações. Marina Guedes, por sua vez, ao redesenhar fotografias parece buscar reter ainda mais aqueles momentos que a imagem fotográfica revela, ao mesmo tempo que, neste processo, permite que informações se percam, se omitam, se repitam, evidenciando a imprecisão inerente às nossas recordações.

A abertura da exposição será no dia será no dia 18 de julho, às 19h, na sede da Chico Lisboa.


Sobre a exposição:

Se a escritora Clarice Lispector dizia que para ela algo faltava  à fotografia,  o filósofo e fotógrafo Jean Baudrillard por sua vez afirmava que algo era retirado constantemente nas imagens fotográficas: a mobilidade, a cor, o cheiro, e até mesmo o significado. Nessas ausências, nesses vazios, nesses espaços côncavos abertos pela fotografia, inserem-se os trabalhos de Letícia Lampert, Marilia Bianchini e Marina Guedes. Estas três jovens artistas trabalham em um mesmo sentido: dar corpo a essas  sombras e reflexos da memória que tentam constantemente se ausentar da fotografia.  Seja através da criação de ficções em  documentos justapostos, seja através de materiais orgânicos que trazem um novo vestimento a um corpo diáfano, seja através do uso do desenho como construção e apagamento, criando cortinas que dão consistência e ao mesmo tempo esfumaçam lembranças perdidas, a procura é a mesma. E como Borges, que  gostava tanto do emblema da ampulheta, em cujo rio de areia correm os conteúdos da memória, se poderia dizer que o trabalho de Letícia, de Marilia e de Marina são belos castelos de areia, frágeis, porque construídos da matéria da memória, mas por isso mesmo extremamente poéticos.

Sobre as artistas:

Letícia Lampert é mestranda em Poéticas Visuais no PPGAV – UFRGS e faz parte do grupo de pesquisa em artes .p.a.r.t.e.s.c.r.i.t.a., coordenado por Elida Tessler. Em 2009 foi vencedora do Prêmio Açorianos de Artes Plásticas, na categoria Fotografia, e indicada para a categoria Artista Revelação. Dentre as mostras seletivas que participou destacam-se o Salão do Jovem Artista, em 2006 e 2008, Salão Paulista de Arte Contemporânea 2008 e FestFotoPoa, em 2007 e 2009 e Salão Unama de Pequenos Formatos em 2012.

Marília Bianchini é mestranda em Poéticas Visuais no PPGAV – UFRGS. Em 2008 foi premiada no Salão Jovem Artista, do grupo RBS. Em 2010 foi indicada ao IV Prêmio Açorianos de Artes Plásticas nas categorias Destaque em Desenho e Artista Revelação por sua exposição individual Linhas em Transparências, realizada no Studio Clio, em 2009. Entre suas principais exposições coletivas estão: Essa Poa é Boa, realizada no DC, em 2007/08, Pequenos Formatos, realizada no Atelier Subterrânea, em 2008, 19º Salão de Artes Plásticas da Câmara Municipal de Porto Alegre, em 2010, Interseção, exposição conjunta com Diego Amaral, realizada no espaço cultural da ESPM, em 2011, e Cartão de Visita (Galeria Gestual, 2011). Sendo esta vencedora do VI Pêmio Açorianos de Artes Plásticas, em 2012 na categoria Destaque em Exposição Coletiva.

Marina Guedes é bacharel em Artes Visuais pela UFPel. Possui especialização em Poéticas Visuais pela FEEVALE. Atualmente é mestranda em Poéticas Visuais pelo Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da UFRGS. Em 2012 participou de “A Novíssima Geração – Pintura e Desenho” no Museu do Trabalho em Porto Alegre, RS. Em 2011 participou da última edição da série de exposições Arte no Porto (quinta edição), realizada no Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo em Pelotas, assim como da terceira (em 2009) e segunda (em 2007) edições da mesma.  Em 2010 participou de exposição coletiva do projeto Portas Abertas, na galeria A Sala do Centro de Artes da UFPel. Em 2009 participou da exposição Polissêmicos no Espaço Cultural Albano Hartz em Novo Hamburgo. Desde 2009 trabalha como pesquisadora no Curso de Formação de Professores em Espanhol como Língua Estrangeira, vinculado ao Centro de Educação a Distância da Universidade Federal de Pelotas e à Universidade Aberta do Brasil.

 

Abertura: 18 de julho de 2012, às 19h
Visitação: de 19 de julho à 18 de agosto
De segunda à sexta, das 9h as 12h e das 14h às 18h
Local: Chico Lisboa – Travessa Venezianos, 19
Cidade Baixa  – Porto Alegre – RS

 

 

Share on Google+Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someoneShare on StumbleUponShare on Tumblr