Sinopse

Para Alice e Para Natalie são dois vídeos que fazem parte de uma série maior que se chama Cartas às minhas antepassadas lésbicas. A série também foi feita a partir da pesquisa teórica, pois percebi que muitas artistas lésbicas buscavam suas genealogias, iam atrás de suas antepassadas. Dessa forma, em meu TCC, decidi também entrar em contato com essas artistas do passado. Em Para Alice, aproprio-me das suas fotografias de Alice Austen, me coloco em relação a elas e leio uma carta que escrevi para a fotógrafa. Em Para Natalie, a carta é escrita como legenda e as imagens são justamente dos momento em que eu estava ‘dissecando’ a dissertação.

Currículo

Lívia Auler nasceu em Santo Angelo, interior do Rio Grande do Sul, no ano de 1990. Atualmente reside em Porto Alegre. É graduada em Jornalismo pela PUCRS (2013) e em Artes Visuais pela UFRGS (2021).

Possui Mestrado em Artes Visuais na linha de História, Teoria e Crítica de Arte pela UFRGS (2019) e é uma das fundadoras do coletivo Nítida – fotografia e feminismo, no qual atua desde 2015.

Suas abordagens no campo da arte são feitas através de uma perspectiva feminista e sua principal pesquisa é sobre artistas lésbicas. Em seu trabalho como artista visual, também busca trazer questões sobre feminismo, mulheres e vivências lésbicas, história da arte e formas de representação na contemporaneidade.

Em 2018, realizou a exposição individual “Afeto Rígido”, na Casa de Cultura Mario Quintana, através do edital do Instituto Estadual de Artes Visuais do RS. Em sua cidade natal, em parceria com a Secretaria Municipal da Cultura, realizou duas exposições individuais. Além disso, participou de diversas exposições coletivas, entre elas: “II Exposição Internacional Arte e Gênero”, UFSC/Florianópolis; circuito CUBIC 4 da Bienal de Curitiba; “Dialogias de Resiliência”, exposição virtual no site do Museu de Arte da UFPR (MusA); “Atentxs e Fortxs” – mostra pelos 50 anos de Stonewall na Casa da Cultura da América Latina, em Brasília.

Ficha técnica

Ano: 2021
Duração: 6min